quinta-feira, 17 de setembro de 2009


tenho imagens a preto e branco

sopro cores nelas

e apareces quente e luminosa

és memória ou miragem?

não sei... nunca quis saber

recordo-me de ti

enjaulada nos teus sentimentos

é por medo que não deixas entrar cores?

sonho-te rubra e transparente

ter na tua mão

uma flor a soltar pétalas vadias

será meu sopro eficaz?

recordo-me de ti

um bater de asas amedrontado

ainda não avistaste um céu onde voar?

abraço do vale

9 comentários:

Anónimo disse...

Ainda bem que voltaste a escrever com regularidade, porque o que nos deixaste é lindo!

Cá do sul um abraço para o vale

Lagartinha de Alhos Vedros

Lúcia disse...

Suave, Duarte.
LIndo. E faz imaginar...:)
Abraço da serra

Justine disse...

Memória ou miragem - que interessa, se é realidade dentro de ti!

utopia das palavras disse...

Para que que as asas se afoitem no voo é preciso soprar todas as cores e não desistir do vento!

Eu disse-te e és...genial!

Um beijo

Zorze disse...

Duarte,

No fundo o que exprimes e revelas, de forma bela como é teu apanágio, é um medo de alguém em assumir algo.
Esse algo que foi passado, poderão ser tantas coisas, que no presente são recordações emotivas, no futuro quem sabe... Ou não.

A incerteza baralha e de sobremaneira, as sinapses que se formam, muitas das vezes a velocidades superiores à da luz.

Abraço,
Zorze

alex campos disse...

Lindo!

um abraço para o vale

Ana Tapadas disse...

Saudade!
Obrigada por me visitares, mesmo no meio das colheitas.
Este poema é de uma suavidade encantadora.
Beijinho

duarte disse...

Lagartinha!
que bom ler-te! estou de volta.
E obrigado por gostares.
abraço e um beijinho

Lucia
suave... às vezes até consigo ser suave. obrigado.
abraço do vale

Justine
É de facto realidade dentro de mim...
abraço e obrigado por estar por aqui

Ausenda
enquanto tiver folego...e houver quem voo, estarei como o vento amparando asas.
eu? genial?
..................tu é que és genialmente bela.só quem te lê o sabe.
abraço do vale

Zorze
és um fenómeno...e mais não digo.
abraço companheiro

Alex
obrigado
abraço para a figueira

Ana
não tem de quê, gostava de estar mais vezes por aí...mas esta net!!!
obrigado por encontrares algo neste textozinho, e obrigado por apareceres.
abraço do vale

PreDatado disse...

Gostei do poema.