segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

PARAR PARA PENSAR


parar para pensar... às vezes é melhor ir andando e pensar um pouco!

mete-me confusão determinadas expressões. se parar é morrer... será que há vida depois da morte? deve haver alguma coisa, menos pensamentos post-mortem!!!

eu sei, existem diversos tipo de morte... mas eu prefiro ir andando,já que morrer é a única certeza que temos( juntamente com as certezas de termos nascido, comido, mijado, cagado, estudado, feito amor, e outras merdas que agora não me lembro....).

Pois sigo o meu caminho , aos tropeções , meio atarantado com as cabeçadas que já dei, encontrando outros caminhos (uns mais sinuosos, outros menos), apreciando a paisagem enquanto o tempo(que não para) me deixa... fazê-lo.

Quem corre por gosto não cansa! eu cá prefiro a marcha! cansa menos. dois passos pra frente, um para trás.......... e se fosse um de cada vez?! é menos confuso, mais natural... e não fico com ar de bailarino!!!

Tenho tido um gosto especial por dias longos, sujeito a coisas antagónicas: estar no campo com toda a simplicidade da terra , a pedir mãos para quem a quer fértil... e de seguida estar no meio de gente quão diferente, tanto as nuances que delas emanam, ver e ouvir, questionando ou não. estar no café com pessoas de bons costumes e moralmente integradas e de seguida conviver com a mais normal meretriz.

Dias desses fazem-me sentir a pedra da calçada ou o asfalto quente ou então a poeira do caminho ou ainda a lama nos sapatos... ou até tudo isso ao mesmo tempo.

Dias normais? não , obrigado! quero sentir na anormalidade , o nascimento da questão... ou então não questionar , apenas observar e digerir pensando.

Tenho dias , que se vão fazendo mornos... almofadados... e isso sim, aborrece-me.


abraço do vale

6 comentários:

Dona Sra. Urtigão disse...

Ah! Eu entendo, sim

Ana Tapadas disse...

Ah! A rotina, meu amigo...parece que adivinhaste sobre o que acabei de postar...
Beijo da planície

Lúcia disse...

Isso é que é vida a jorrar, Duarte!
Sempre em frente. Marchando...
Abraço da serra

Zorze disse...

Duarte,

Obviamente que teria de começar por te dizer que existe vida após a morte.
E vivemos isto ciclicamente ao longo de milhares de anos.
Já morremos e nascemos muitas vezes, mas também, muitas vezes, esse pequeno interlúdio de manifestação existencial, que é viver uma vida existencial, passamos a maior parte do tempo perdidos.
Será que tenho de vontade de cagar ou de mijar?
Será que vou contemplar o mar ou deleitar-me no prazer que a própria vida permite com uma lindíssima meretriz?

Certo, certo, é que não há respostas certas.
Viver é isso mesmo, percorrer um enorme labirinto de dúvidas e com a assumpção de que iremos dar cabeçadas de vez em quando, faz parte do crescimento pessoal e ao ritmo de cada um.
Por outro lado, existe a cegueira mental que julga alumiar caminhos vestida de ilusão.

Abraço,
Zorze

Lacey Mosley disse...

As vezes andar é o mais próximo que chegaremos de alguma resposta. Muito interessante. Parabens pelo blog..

Seguindo como posso;

;)

Fernando Samuel disse...

O caminho faz-se, caminhando...

Um abraço.